INTERCÂMBIO

Programa descentralizado de cooperação Brasil-Itália

O Programa Brasil Próximo é um projeto que está articulado em quatro componentes: desenvolvimento local, economia da cultura, políticas sociais e cooperativismo

Edição 170 - Maio 2015

Foto:reprodução
Programa Brasil próximo é resultado de acordos entre os governos do Brasil e da Itália
O Programa Brasil próximo é resultado de acordos entre os governos do Brasil e da Itália e tem por objetivo viabilizar projetos de cooperação com foco no desenvolvimento local, em parceria com estados e municípios, desde 2009 foi instalada em Brasília a Comissão Intersetorial para a gestão do programa. O processo que antecedeu a criação do programa caracterizou-se pela integração das experiências de cooperação dos estados da Itália central como Umbria, Marche, Toscana, Emília - Romagna e Ligúria. O Projeto está articulado em quatro componentes: desenvolvimento local, economia da cultura, políticas sociais e cooperativismo.

Inspiradas pela visão comum de que “um novo mundo é possível” do 1º Fórum Social Mundial de Porto Alegre (2000), os estados italianos comprometidos com a promoção de parcerias no setor da economia social e cultura com os governos locais no Brasil, deram início ao intercâmbio de experiências sobre as questões do desenvolvimento econômico local, políticas públicas e culturais.

Em 2002, os estados de Umbria e Marche promoveram 2 seminários no Brasil, o 1º no Recife e o 2º em Porto Alegre. À partir daí foram criadas diversas parcerias entre as cidades de Porto Alegre e Caxias do Sul (RS). Piracicaba e Rio Claro (SP), Uberlândia e Juiz de Fora (MG) e Recife (PE) e os estados de Marche, Umbria e Toscana. Foram assinados protocolos e memorandos visando promover principalmente projetos de desenvolvimento local.
No passado, Rio Claro recebeu imigrantes italianos para trabalharem na cultura do café. Com a chegada da estrada ferroviária estadual, os italianos experientes em mecânica deixaram a lavoura de suas terras e foram trabalhar na ferrovia. “Deixaram as roças de café e ensinaram para nós, filhos, que a vida na roça era muito sacrificada com todas as dificuldades possíveis. Por isso se perdeu a vocação para com a terra. Hoje estamos tentando resgatar os valores da ‘nona italiana’, aquela avó que chegava com a cesta de alimentos e reunia a sua volta todos os netos numa comunhão familiar, nós descendentes de italianos perdemos os valores dessa ‘nona italiana’ substituídos pelos valores da “grandmother” americana, onde a família americana não tem tempo para agregar os seus. Queremos o casal tomando decisões conjuntamente porque se pretendemos deixar a sucessão na terra temos que exercitar o amor à terra acima de tudo" explica Carlos Alberto Teixeira De Lucca, secretário de agricultura abastecimento e silvicultura de Rio Claro.

Rio Claro faz intercâmbio com a Umbria, uma região forte no associativismo e cooperativismo. O objetivo é construir o cooperativismo levando os cooperados a trabalhar do ponto de vista social, ambiental e economicamente justo, como princípio. "Foram realizadas Conferências Federais, Estaduais e Municipais, incluindo 58 municípios do estado de São Paulo representando uma economia agrícola de larga escala. Circulamos entre 8 municípios. O governo italiano criou um selo e uma marca para que possamos fazer uso nas embalagens dos alimentos produzidos pelos agricultores familiares cooperados, pois, a marca indica que os alimentos são rastreados", conta o secretário.
Autorizada a reprodução desde que citada a fonte: Jornal Pires Rural - Limeira - www.dospires.com.br
Foto:JPR
Carlos Alberto Teixeira De Lucca, secretário de agricultura abastecimento e silvicultura de Rio Claro
Autorizada a reprodução desde que citada a fonte: Jornal Pires Rural - Limeira - www.dospires.com.br
Foi desenvolvido um check-list para auxiliar e mensurar a aplicação das Boas Práticas Agrícolas na olericultura regional (Rio Claro e região) e utilizou como base o regulamento de certificação agrícola GlobalGap, para legumes e verduras. Os itens do check-list não tem como finalidade avaliar as propriedades com fins de certificação, devendo ser considerado para promoção da melhoria contínua de uma região previamente avaliada. "Com esse convênio e selo, os produtores de legumes e verduras não precisam se adequar ao Serviço de Inspeção Municipal, SIM , pois, a rastreabilidade é executada pelos próprio cooperados que fazem a inspeção para atender ao Protocolo Sócio-Ambiental e Boas Práticas Agrícolas do Programa de Parceria", explicou De Lucca. Autorizada a reprodução desde que citada a fonte: Jornal Pires Rural - Limeira - www.dospires.com.br
© 2013 - Jornal Pires Rural