BIOLOGIA

Cantando até explodir

Anunciando a primavera e o período de chuvas o eterno ziiiiiiiiiiiiiiiiiii,
o som inconfundível da cigarra provém do abdômen. Será que ela explode de tanto cantar?

ARQUIVO - Edição 52 | Limeira, Novembro de 2007 | Ano III

Exúvia da Cigarra

As cigarras da nossa região são do gênero Carineta. Antes de romper a casca, a cigarra permanece, com as asas dobradas, dentro da exúvia por no máximo um dia

São 6:15 da madrugada. O rádio relógio toca anunciando a chegada de mais uma caminhada. O som que ele toca parece ter a competição de outro som, algo meio ziiiiiiii, ziiiiii. Ainda estou sonolento pra entender. Percebo a sinfonia matinal: o rádio, os pássaros, os cachorros e o novo e eterno ziiiiiiiiiiiiiiiiiii. São as cigarras elas acabaram de chegar para animar a festa. Será uma época de ouvir a sempre inconfundível sinfonia natural do acasalamento, começou neste mês e vai até fevereiro, março.

Primavera
O canto inconfundível chega anunciando a primavera e o período de chuvas. A execução será com maestria da "canção de uma nota só" por parte dos insetos. Segundo ouvidos afinados, as cigarras cantam e encantam, entre outras coisas, por não desafinarem jamais. É um canto impossível de ser reproduzido pelo homem e, ao mesmo tempo, perfeito em sua simples melodia.

Alô som
O som da cigarra provém do abdômen, provocado pela vibração das membranas. Isso mostra o quanto a natureza é inimitável. Ao ouvir uma cigarra, é impossível não se entusiasmar com a idéia de que aqueles sons são feitos de uma maneira estritamente instintiva. Os insetos estão querendo apenas agradar as fêmeas para conseguirem se reproduzir. Por fim, através de um recurso dado pela natureza, acabam protagonizando um pequeno espetáculo.
Na fase de acasalamento, cada espécie atrai cerca de seis fêmeas, pelo som diferenciado. Não tem como haver cruzamento entre espécies diferentes. As cigarras da nossa região são do gênero Carineta. Ao todo, a cigarra passa por cerca de cinco estágios. É no estágio ninfal que o inseto troca de pele. Autorizada a reprodução desde que citada a fonte: Jornal Pires Rural - Limeira - www.dospires.com.br
Cantando até explodir

Os insetos estão querendo apenas agradar as fêmeas para conseguirem se reproduzir. Antes de romper a casca, a cigarra permanece, com as asas dobradas, dentro da exúvia por no máximo um dia


Rompendo a casca
Ao contrário do que muitos pensam a cigarra não estoura ou morre de tanto cantar. Quando ela rompe, o que fica nos troncos das árvores é a exúvia, a popular casca. Antes de romper a casca, a cigarra permanece, com as asas dobradas, dentro da exúvia por no máximo um dia. Após o acasalamento, os ovos são depositados no ramo das plantas, por um período de 20 a 30 dias. Nascem as ninfas. Elas descem pelos ramos da planta hospedeira e alojam-se na raiz, para sugar a seiva. Seu principal hospedeiro é o cafeeiro. As ninfas ficam enterradas de dois a três anos.Autorizada a reprodução desde que citada a fonte: Jornal Pires Rural - Limeira - www.dospires.com.br
As cigarras são encontradas em maior quantidade em países tropicais. De corpo minúsculo medindo de cinco a seis centímetros. O mais impressionante no bichinho é que ele é capaz de emitir esse som desproporcional. Ouvir o canto das cigarras para algumas pessoas pode incomodar, principalmente pelo excesso de repetição do mesmo som, mas alívio mesmo, só quando chegar ao término da época de acasalamento.
© 2013 - Jornal Pires Rural