AGRICULTURA

1º Fórum Encontro das Águas - Desafios para a Conservação dos Mananciais de Limeira

Encontro sela articulação intermunicipal para atuação na Preservação das Microbacias dos Mananciais de Limeira

Edição 149 - Abril 2014

Membros do Conselho Intermunicipal - Foto:Marcel Menconi
Articulação intermunicipal: Membros indicados para o Conselho Intermunicipal dos Manancias de Limeira e Região
O 1º Fórum Encontro das Águas teve como tema os "Desafios para a Conservação dos Mananciais de Limeira”. O encontro aconteceu no inicio de abril, no Isca Faculdades, promovendo avançar na reformulação de órgãos existentes como instrumento de articulação intermunicipal, focando dois objetivos: parceria para uma articulação intermunicipal e ainda, traçar diretrizes de reformulação da atuação da Comissão de Preservação das Microbacias dos Mananciais de Limeira. Esse trabalho vai impactar a produção das águas e consequentemente impactará outros municípios como Cosmópolis; Artur Nogueira; Engenheiro Coelho; Araras; Cordeirópolis; Americana; Iracemápolis, com representantes presentes nesse Fórum.

Limeira é um município referência no País no quesito tratamento de água e esgoto, serviço aprovado por 90% da população (pesquisa Ibope sobre serviços da empresa concessionária Odebrecht Ambiental), o qual apresenta um índice de perdas de 15%%, com a meta projetada para 2020, diminuir as perdas na casa dos 10% - índice considerado para países de primeiro mundo. Limeira está "no olho do furacão" no planejamento econômico do Estado de São Paulo até 2040, na rota São Paulo - Campinas - Ribeirão Preto através das rodovias Anhanguera e Bandeirantes, com esse fato, uma real gestão das Microbacias regionais será muito bem vinda.

Para o presidente do SAAE - Limeira, Osmar da Silva Junior, o 1º Fórum Encontro das Águas tem o propósito de criar uma Comissão visando elevar a quantidade de água para que seja suficiente e “consigamos garantir a quantidade de água pensando na macro região”, citou. "Limeira comandando com a responsabilidade de ações efetivas para garantir o abastecimento de água da região", afirmou Osmar.

De acordo com dados apresentados, em fevereiro choveu apenas 8%, seria necessário recompor com quase 1000 ml de chuvas até o final do período de estiagem para recuperar o Sistema Cantareira. “Quando falamos em Piracicaba, Capivari e Jundiaí – Bacia PCJ, falamos do primeiro parque industrial de São Paulo, terceiro região de Campinas, soma quase 14% do PIB da 6ª economia do mundo. O que estamos tratando aqui é uma questão de economia nacional. No contexto de escassez, estamos testando a gestão dos recursos hídricos, descobrindo várias falhas, que a gestão é frágil e baseada em pessoas, pouco institucionalizada. Há quatro anos não se emite uma nova outorga no entorno do aeroporto de Viracopos, isso significa que temos atraído indústrias com pouco uso de água, como as automotivas", afirmou professor Alexandre Vilela.

A legislação traz dois domínios da água: o rio é de domínio da união ou de domínio do Estado como o Pinhal e o Tatu. Não existe rio municipal ainda que, quem mais influencia a quantidade de água é o município através de políticas de uso e ocupação do solo. “Para a esfera da legislação, um Comitê ou Comissão juridicamente a Lei não prevê, mas não proíbe. Os desafios serão: quem executará, quem cumprirá as vontades das decisões dessa Comissão. Existem duas estratégias: definir qual responsabilidade de cada um, e ter um projeto. Já a formação de um Consórcio Público como figura jurídica com aprovação de Leis municipais institucionalizaria o processo. O maior desafio é dar continuidade. Na bacia PCJ não existe nenhum movimento como esse daqui de Limeira", continuou professor Alexandre Vilela.

"O próximo ano pode ser marcado por um volume menor de chuvas. O ciclo de mudança dos rumos do El Niño e La Niña começaram em 1999, terminando em 2016, estamos no pico de um ciclo que vai afetar profundamente a nossa região. Vamos sentir pela falta da água, o alto preço e falta dos alimentos, a alta nos combustíveis", explica Alquermes Valvassori, secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural.

O prefeito de Iracemápolis, Valmir Gonçalves de Almeida, parabenizou a iniciativa e organização do evento para uma discussão tão importante e oportuna. "Num momento tão oportuno onde o Estado de São Paulo passa dificuldades pela escassez de água que ainda não é a nossa realidade, discutir regionalmente, é o momento para buscar soluções para nossas bacias e mananciais de Limeira, (geograficamente) está ligado a cidade vizinha de Iracemápolis. Quero parabenizar o Paulo (Hadich) e o padre Alquermes porque água é tudo”, afirma o prefeito Valmir.

Pedro Franco, prefeito de Engenheiro Coelho, saudou a iniciativa reconhecendo os trabalhos do Fórum. "É o momento de trabalharmos unidos para que nossos filhos e netos não fiquem sem água. Engenheiro Coelho está a disposição dos trabalhos no que for preciso", afirmou o prefeito.Autorizada a reprodução desde que citada a fonte: Jornal Pires Rural - Limeira - www.dospires.com.br
Para o prefeito Paulo Hadich, temos conseguido que Limeira esteja na liderança de um processo de baixa perda de água, temos que preservar. "Tudo o que as pessoas pedem para um gestor é sempre pensando no hoje, no imediato. Quando se propõe a pensar no amanhã, planejar o futuro parece uma discussão vaga e vazia. Limeira ficou longe da crise da água. As chances de sofrermos um colapso no abastecimento no meu governo é quase próxima de 0, poderia deixar pra lá, é o que aconteceu em muitos governos e cidades. Será que São Paulo têm qualidade de vida pra instalar uma empresa ou para morar? Quantos vieram pra Limeira, Iracemápolis, Engenheiro Coelho buscando qualidade de vida. Temos que estar unidos com os municípios vizinhos para fazer o enfrentamento que é comum", afirma o prefeito Paulo Hadich.Autorizada a reprodução desde que citada a fonte: Jornal Pires Rural - Limeira - www.dospires.com.br
© 2013 - Jornal Pires Rural