AVENTURA

Montanhas, marmelo e o lugar do Maeda

A Serra da Mantiqueira é um trajeto de descobertas, trilhar por esses vales é estar a um passo do paraíso. Boa viagem!

Edição 170 - Maio 2015

Maeda e o pico do Marinzinho
Frente a frente com sr. Maeda e o pico do Marinzinho (2.432 m altitude), atrações de Marmelópolis/MG
O sul de Minas Gerais esconde diversos encantos, basta ter a curiosidade de procurar, por exemplo Marmelópolis/MG, uma cidade bem pequena, próximo a Itajubá, centro urbano, um dos maiores distrito industrial da região, diversas universidades, institutos de pesquisas, hospitais e muita gente. Encontrar um local pra ficar em paz e sossego parece desafiador, mas você está em Minas Gerais, na Serra da Mantiqueira, lugar de mata, mato, riachos e montanhas, muitas montanhas.

Entre tantas montanhas está Marmelópolis, lugar que parece não existir, ou quase, são 2.902 habitantes, seu nome é devido a produção de marmelo. Em 1935 surgiu a primeira fábrica para transformar a fruta em “massa” para a produção de doce, economia que se proliferou por toda a região. Por volta de 1962 o número de pés de marmeleiros eram 600.000, só nessa região. No início dos anos 80, a produção de marmelo diminuiu de maneira assustadora devido a falta de renovação dos marmeleiros, somado a inflação galopante, frutas sendo importadas de países vizinhos e o que se produzia em Marmelópolis foi ficando estocado ano após ano, ocasionando perdas e dívidas para agricultores e industriais. Atualmente a produção da fruta é mínima, só existe uma fábrica em atividade e as outras se encontram, literalmente, em ruínas. A cidade do marmelo ficou nas lembranças, a maioria dos agricultores aderiu à plantação de tomate e batata.autorizada a reprodução desde que citada a fonte: Jornal Pires Rural - Limeira - www.dospires.com.br
Foto:Adriana Fonsaca
Na Serra da Mantiqueira Marmelópolis/MG

Então, o que fazer em Marmelópolis? Podemos lembrar que a Estrada Real ‘caminho velho’, passava pela região, rota que levou nosso ouro das minas de Ouro Preto até o porto de Parati/RJ. Mesmo com essa história, ainda dizem que a cidadezinha está “iniciando-se no campo de turismo, graças as belas paisagens naturais existentes como cachoeiras e trilhas ecológicas”.

Buscando o prazer em estar em meio a natureza na Serra da Mantiqueira, achar um lugar para o pernoite é preciso. Novamente o “quem procura, acha” fez-se necessário, única placa pelo caminho indicava a “Pousada e Camping do Maeda”. São muitas placas indicando a direção da pousada, mas nenhuma tem a distancia até o local, então, qualquer km pode parecer eterno, ainda mais, em estrada de terra íngreme e estreita, mas com uma vista espetacular e paisagens tipicamente mineira como vales, araucárias, casas de sítio, riachos e o cheiro do verde. Pouco mais de 7 km do centro de Marmelópolis, está a pousada do Sr. e Sra. Maeda. Autorizada a reprodução desde que citada a fonte: Jornal Pires Rural - Limeira - www.dospires.com.br
Foto:Marcel Menconi
A cachoeira de São Matheus

O dono da pousada é uma atração a parte, Hideki Maeda é um experiente montanhista e entusiasta em relatar as história de suas caminhadas, diz estar próximo seus 60 anos de montanhismo, levou 40 anos para ter a sua tão sonhada pousada. Morando em Campinas e trabalhando no setor de indústria química, escolheu seus 3 alqueires em Marmelópolis no ano de 2.000, após passar várias vezes pelo local, abrindo trilhas pelos picos e vales da região. “Em 1993 fiz a abertura da trilha do pico do Marins (2.421 m altitude), que está na cidade de Piquete/SP, é o segundo mais alto do estado de São Paulo, seguindo a travessia até a cidade de Passa Quatro/ MG até o pico do Itaguaré. São 35 km de distância, leva 3 dias e requer duas pernoite na trilha. É indicado para pessoas com bom preparo físico e excelente espírito de aventura” descreve Maeda. Na pousada você encontra quartos confortáveis, excelente comida e uma vista espetacular, frente a frente, do pico do Marinzinho (2.432 m altitude), atração de Marmelópolis.

Tudo muito bem organizado e mapeado, pelo Sr. Maeda, será fácil um passeio até esse pico. Saindo à pé da pousada, para alcançar o cume levará cerca de 3 horas de caminhada, passando por mirantes e paisagens de tirar o fôlego. Pelo caminho há diversas trilhas sinalizadas e cachoeiras batizadas pelo Sr. Maeda. “Para as cachoeiras é pertinho, fácil, fácil. Pegue a trilha ecológica ‘caminho da água’, você anda 30 metros já encontra a cachoeira São Matheus, subindo um pouco tem a cachoeira São Lucas, daí vai até cachoeira Água Branca, Cachoeira São Marcos e finalmente a cachoeira São Bento”. Durante a estadia do hospede na pousada, Sr. Maeda faz questão de dar total atenção, que acabam se sentindo como uma visita a um velho amigo. Nos cômodos do refeitório e sala de visita estão expostos diversas fotografias do hospedes que ali passaram. Existe até uma parede reservada para os turistas estrangeiros, se aparecer por lá, é provável que logo, logo sua foto também estará pelas paredes da pousada.

Sr. Maeda faz questão de mostrar o museu histórico do montanhismo que ele próprio foi montando com doações, principalmente do Centro de Excursionista de Campinas, e pertences seus. Inclusive tem até uma recordação do alpinista campineiro Vitor Negrete, que em 2006, fez a escalada no monte Everest, a montanha mais alta da terra, com 8.848 m de altitude, e após atingir seu objetivo, que era ser o primeiro brasileiro a completar a escalada sem a ajuda de cilindros de ar suplementares, morreu na trilha de volta na face norte da montanha, a 8.300 metros, cerca de 550 metros do topo. As péssimas condições climáticas, à época dessa escalada, impossibilitam a remoção do corpo, que foi enterrado no próprio local. Entre as histórias narradas pelo Sr. Maeda, está a filmagem do documentário “Caminhos da Mantiqueira”, cuja exibição do trecho de 20 minutos é apresentada com orgulho na tv da pousada.

Sr. Maeda também recorda-se das vezes que o Globo Repórter e uma equipe da EPTV esteve em sua pousada retratado a localidade, montanhismo, criação de trutas, sul de minas e Marmelópolis. “É graças a esses vídeos que as pessoas vem até nossa pousada. Fico muito contente em poder recebe-los. Nossa hospitalidade é o que mais prezo em nosso atendimento. A maioria da população foi embora daqui, porque não encontravam emprego. Construir essa pousada levou um bom tempo. Eu vinha de Campinas aos finais de semana para ajudar na obra, até que mudamos para cá. Somos os únicos de descendência japonesa. Tinha 2.900 habitantes, chegamos foi para 2.902”, comenta, bem humorado, Sr. Maeda.Autorizada a reprodução desde que citada a fonte: Jornal Pires Rural - Limeira - www.dospires.com.br
Foto:Adriana Fonsaca
Fundação Roge, uma instituição particular que oferece cursos técnicos na área agrícola e ambiental gratuitamente para seus estudantes.
Um dos caminhos para chegar até Marmelópolis é cotar por dentro da cidade mineira de Itajubá e depois seguir até a cidade de Delfim Moreira, atravessando sua área urbana, chegando até uma serra que desemboca em Marmelópolis. Para os mais atentos, ao passar por Delfim Moreira irá visualizar uma construção, nos moldes de antigos casarões, no alto à esquerda. São os prédios da Fundação Roge, que é uma instituição particular que oferece cursos técnicos na área agrícola e ambiental gratuitamente para seus estudantes. Essa fundação foi escolhida, em 2010, pela Emater-MG para a implantação do banco de multiplicação de mudas, resultado da parceria entre o MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), a Prefeitura Municipal e a Secretaria de Agricultura de Delfim Moreira, a Embrapa Hortaliças e a Associação de Produtores Orgânicos de Delfim Moreira (APODEM). Sendo um repasse das sementes e mudas de hortaliças tradicionais para a implantação do banco de multiplicação, ficando claro que se trata de espaço coletivo para multiplicação e repasse de sementes a outros municípios. Alguns materiais mais sensíveis, em especial as espécies folhosas, dentre elas o jambu, a capuchinha, o peixinho e a azedinha, foram plantadas em canteiros. Autorizada a reprodução desde que citada a fonte: Jornal Pires Rural - Limeira - www.dospires.com.br
© 2013 - Jornal Pires Rural